terça-feira, 12 de fevereiro de 2008

Drogas, injustiça social e capitalismo.

Bom, para fazer um estudo minuncioso sobre drogas, lícitas(café, guaraná, remédios alopáticos...) e ilícitas(Maconha, Cocaína, LSD...) é preciso saber diferenciar a droga do princípio ativo, o que é difícil, já que na linguagem não científica elas se confundem.
Antes de começarmos esse estudo, devo explicar a diferença entre droga e princípio ativo: uma droga tem diversas substâncias, porém, somente algumas delas são psicoativas, ou seja, em determinada quantidade interferem no comportamento e sobriedade, e elas são os princípio ativo. Então, quando um atleta é pego no anti-dopping, é porque de alguma forma ele ingeriu algo em que estivesse incluído o princípio ativo não permitido para aquele esporte, por melhorar seu rendimento físico e trazendo de alguma forma perigo ao seu corpo (mas há drogas permitidas em alguns esportes, como a efedrina no hockey, e fica à critério do órgão regulamentador das regras e leis definir qual droga pode trazer malefício a longo, médio e curto prazo para o atleta, e quais são as permitidas, como o caso de alguns suplementos).
Há drogas que contém princípio ativo em pequena escala, é o caso da folha de coca, que mesmo consumido em grande quantidade, não chega a somar quantidade de cocaína suficiente para trazer danos à saúde. Os nativos dos andes, povos que viviam na atual Bolívia e Peru antes da chegada dos espanhóis, como os Incas, mastigavam a folha de Coca para suportar a fome, sede, dor, cansaço, frio e altitude, porém, alguns ‘visionários’ enxergaram nessas folhas uma forma de se ganhar muito dinheiro, e assim, inventaram uma técnica para se separar o princípio ativo cocaína da folha de coca, afim de colocar uma dosagem maior de cocaína num novo produto, e transformado em pasta com aplicação de solventes e misturado ao éter, clorofórmio, cal, ácido sulfúrico e acetona, ganha uma forma de pó branco, com mais ou menos impurezas a depender da técnica utilizada nos laboratórios.
O princípio ativo tão querido pelos povos andinos ganhou uma forma ‘industrial’, e sua venda é um negócio extremamente lucrativo para instituições clandestinas que a exportam para o mundo todo, e como esta droga é cara e tem alto poder de causar dependência, cada vez mais o tráfico tem se enriquecido, inclusive traficantes no Rio de Janeiro conseguem obter armas mais poderosas que a da própria polícia(algumas delas são proibidas no Brasil e utilizadas em guerras no Oriente médio).
Por outro lado, o tráfico nasceu de uma brecha deixada pelo estado omisso, que esqueceu de sua população e a deixou sem grandes perspectivas de se levar uma vida digna, longe de conflitos com a polícia. Essa brecha se chama injustiça social, e apenas para comprovar essa tese, antes do tráfico ter se difundido, pessoas oprimidas pelo sistema atual ganhavam dinheiro predominantemente através do roubo, e este não era tão lucrativo(um exemplo está no filme ‘Cidade de Deus’). Hoje, o que dá mais dinheiro é o tráfico de drogas, e se um dia este for abolido, haverá outra forma de resistência para manter a sobrevivência de pessoas da favela esquecidas pelo estado, como a volta à predominância aos roubos(embora não seja tão lucrativo), prostituição, comércio de outros produtos clandestinos(dvds, cds, tênis, roupas...) ou qualaquer coisa que se possa vencer a concorrência convencional(já que pode vender mais barato por não se pagar imposto) e se possa peitar o estado, visto pela visão popular oprimida como maior vilão da história(apesar da Globo e Veja não enxergarem dessa maneira e ainda haver muita gente adepta das idéias conservadoras).
A cocaína, que era apenas princípio ativo hoje é uma das drogas mais famosas do mundo. Já fizera parte da composição da Coca-Cola- daí o nome ‘Coca’- depois fora substituído pelo princípio ativo cafeína, encontrado por exemplo em cafés. O outro princípio ativo do refrigerante surgido em Atlanta é a cola, extraída da planta noz de cola, encontrada no leste da África e Indonésia. A folha de Coca, que também é plantada na Indonésia(embora seja nativa da América do Sul), tem 14 alcalóides, e apenas um deles é ilegal, mesmo estando presente em pequena quantidade na folha(qual será?), o que foi fator predominante para sua substituição.
A folha de Coca, juntamente com a noz de cola, que deram origem ao refrigerante em questão, foram substituídos por corantes para baratear o preço em larga escala, ou seja, para se vender mais, se ‘artificializa’ tudo, e o consumidor que não se informa pouco se importa, aliás, nem sabe o que está acontecendo, nem o que está se consumindo. Portanto, a informação é importantíssima, não deixe esse capitalismo selvagem te enganar, e lute contra o que há de errado(a não ser que você tenha achado todos os acontecimentos desse texto justos e normais).

Fontes:

http://oficina.cienciaviva.pt/~pw020/g/cocaina.htm

http://www.mundodelivros.org/3130343533/ch278.html

http://www.neppi.org/anais/textos/pdf/poster_cocaina.pdf

2 comentários:

Teka disse...

Sou sua fã.
Bjus!

Rabiscando Linhas disse...

belo texto, belo texto, vamos falar sobre isso na quarta euhehe